Nunca estamos sozinhos.


Em busca de flagrantes, somos flagrados. Nesta sexta-feira, 31 de agosto, o sol nasceu com ar e luminosidade de primavera. Neste cantinho da ilha, também não estamos sós. Uma caminhada na praia, sozinho, em meio a pensamentos e na minha solidão de fotógrafo que visa, se possível, registrar até as tonalidades dos sons, eis que alguém busca a minha companhia e ficamos ali. Não precisamos de muitas conversas. Apenas ficar ali e viver, com a certeza de que nunca estamos sozinhos.

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URI

Deixe um comentário